Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

um eléctrico chamado desejo

um eléctrico chamado desejo

magestic

"os cafés em Portugal têm sido até agora exclusivamente alfobre de revolucionários." in a illustração portuguesa

palavra perdida

acordo com a pestana colada. deve ter sido do sonho especulado. da minha boca não sai palavra. estou mudo para o mundo. perdi a linguagem dos sentidos. falta-me a fala. achei a razão. deixei a última palavra perdida na tua boca.

sentido

faz sentido o silêncio, como fez sentido as palavras carregadas de amor. continuarei aqui a olhar para ti meu amor. como quem olha para uma pitangueira carregada de suculentos frutos proibidos. continuarei a olhar num vermelho vagaroso de pitanga. engolirei os caroços que mereço. ficarei da cor do vermelho vagaroso até transformar-me em pitanga com caroço.

da poesia que me aconchega

para que as coisas resultem, a nossa escuridão tem de ficar bem clara. promete-me que a tudo o que o amor possa ter de sujo brindaremos com copos de cristal. Ana Tecedeiro em Rebento-Ladrão, s/l: Tea For One, 2014, p. 9.

porque não te soube merecer

Porque não soube merecer a glória, a mais suave de me deitar a teu lado e que o sangue a palavra abolisse a diferença entre o meu corpo e a minha voz porque te perdi não sei quem sou. António Ramos Rosa

mão estendida

estendi a minha mão no vazio. estico os dedos procurando tocar o espaço ausente. um movimento que se perde na tentativa do toque. o toque da mão estendida ao vento que passa. e nesse vento desaprece a mão que não se vê. um aperto de mão que se perde no aperto de garganta que se ganha.

Pág. 1/5

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D